Panorama da investigação sobre idiomas e conteúdos do periodismo digital

Apresenta uma seleção de artigos e palestras científicas que pretendem exibir um mapa que simula executar o território da investigação sobre idiomas e conteúdos do periodismo digital. Este trabalho forma parte de uma apresentação que hago na Escola de Doutorado organizada pelo Red de Excelencia no Periodismo Digital que forma parte como diretor do Grupo de Investigação GICOV da Universidade Miguel Hernández de Elche. Ele organizou este mapa na função destas categorias:

Cirurgia do periodismo digital

Projeto de periodismo digital

Inovação no periodismo digital

Lenguajes

  • Hipertextualidad
  • Interatividade
  • Multimedialidad

Narrativas

Narrativa transmedia

Géneros

  • Noticia
  • Reportaje
  • Infografía
  • Webdoc
  • Newsgame

Modalidades

  • Vídeo online
  • Blogs
  • Periodismo colaborativo
  • Periodismo en redes sociais
  • Inmersivo
  • Datos
  • Automatizado

A investigação sobre conteúdo e linguagem do periodismo digital é um terreno ideal, muito frágil e em constante evolução. Por tanto, este mapa do território das distintas investigações necessárias está incompleto. Como você decide, nesta seleção, você deve selecionar todos os artefatos e autores que aparecerem, mas não há nenhum item disponível para todos os que são exibidos. Por exemplo, se você tiver uma sugestão científica sobre um trabalho científico relacionado a este assunto, inclua um nome por favor usando um comentário sobre o artigo, alterando a categoria que pode incluir. A ciência constrói uma base de dados de pesquisa investigada, por quem está muito agradecido e vamos ampliando e atualizando juntos esse mapa de referências.

Cirurgia do periodismo digital

Bardoel, J. (1996) Além do jornalismo. European Journal of Communication, v. 11, n. 3, pp. 282–302.

Dahlgren, P. (1996) Lógica da mídia no ciberespaço: reposicionando o jornalismo e sua política. Javnost: o público, 3, 3, pp. 59–72.

Díaz Noci, J. e Meso Ayerdi, K. (1997) Media of communication in Internet. Madri: Anaya Multimedia.

Díaz Noci, J. e Meso Ayerdi, K. (1998) Tipologia dos meios de comunicação na Internet. Génesis y desarrollo de um novo paradigma comunicativo. El caso vasco. XIV Congresso de Estudos Vascos: 77–83.

Van-Oostendorp, Herre e Van-Niemwegen, Christof (1998) Localizando informações em um jornal online. Jornal de Comunicação Mediada por Computador, 4, 1.

Deuze, M. (1999) Jornalismo e web. Uma análise de habilidades e padrões em um ambiente online. Gazette, 61, 5, 373–390.

Heinonen, A. (1999) Jornalismo na era da rede. Tampere: Tampere University Press.

Pavlik, J. V. (1999) Novas mídias e notícias: implicações para o futuro do jornalismo. New Media & Society, 1 (1), 54–59.

Cabrera González, Mª Ángeles (2000) A imprensa on-line. Os periódicos na WWW. Barcelona: CIMS.

Hall, J. (2001) Jornalismo Online: uma cartilha crítica. Londres: Pluto Press.

Pavlik, J. (2001) Jornalismo e novas mídias. Nova York: Columbia University Press.

Deuze, M. (2001) Jornalismo online: modelando a primeira geração de mídia noticiosa na World Wide Web. Primeira segunda-feira, 6 (10).

Islas, O. (2002) Explorando o ciberperiodismo iberoamericano. México: Patria Editorial.

Boczkowski, P. (2002) O desenvolvimento e uso de jornais on-line: o que a pesquisa nos diz e o que podemos querer saber. En: Lievrouw, L. e Livingstone, S. (eds.). O Manual de novas mídias. Londres: Sage, pp. 270–286.

Kawamoto, K. (Ed.) (2003) Jornalismo digital: Mídia emergente e os novos horizontes do jornalismo. Lanham: Rowman e Littlefield Publishers.

Deuze, M. (2003) A web e seus jornalismos: considerando as consequências de diferentes tipos de mídia on-line. New Media & Society, 5 (2), 203-230.

Boczkowski, P. (2004) Digitalizando as notícias: inovação em jornais online. Cambridge, MA: The MIT Press.

Parra Valcarce, D. e Álvarez Marcos, J. (2004) Ciberperiodismo. Madri: Síntesis.

López García, G. (2005a) Modelos de comunicação na Internet. Valência: Tirant e Blanch.

López García, G. (2005b) Modelos de mídia de comunicação na Internet: projeto de uma tipologia. Em López García, G. (ed.) O ecossistema digital: Modelos de comunicação, novos meios de comunicação e público na Internet (pp. 55-86). Valência: Serviços de publicações da Universidade de Valência.

Salaverría, R. (Coord.) (2005) Cibermedios: impacto da Internet nos meios de comunicação em Espanha. Sevilha: Comunicação Social.

Projeto de periodismo digital

Domingo, D. (2006) Inventando o jornalismo online. Desenvolvimento da Internet como um novo meio em quatro redações on-line catalãs. Bellaterra: Univ Autònoma de Barcelona. Tese de doutorado.

Domingo, D. (2008) 'Inventando o jornalismo online: uma abordagem construtivista para o desenvolvimento de notícias online', em Chris Paterson e David Domingo (eds) Making Online News, pp. 15–28. Nova Iorque: Peter Lang

Díaz Noci, J. (2008) Definição teórica das características do ciberperiodismo: elementos da comunicação digital. Doxa Comunicación, 6, 53–69.

Fenton, N. (2010) Novas mídias, notícias antigas: Jornalismo e democracia na era digital. Publicações prudentes.

Macnamara, J. (2010) Mídia 'emergente' e comunicação pública: entendendo as mudanças na mídia. Revisão de Comunicação Pública, 1 (2).

Rodríguez-Martínez, R., Codina, L. e Pedraza-Jiménez, R. (2010) Cibermedios e web 2.0: modelo de análise e resultados de aplicação. O profissional da informação, 19 (1), 35–44.

Howard, P. N. e Hussain, M. M. (2011) O papel da mídia digital. Jornal da Democracia, 22 (3), 35–48.

Van der Haak, B., Parks, M. e Castells, M. (2012) O futuro do jornalismo: Jornalismo em rede. International Journal of Communication, 6, 16.

Canavilhas, J. (org.) (2014) Jornalismo: 7 características que marcam a diferença (pp. 25-52). Covilhã, Portugal: Livros LabCom.

López García, G. (2015) Periodismo digital. Redes, audiências e modelos de negociação. Salamanca: Comunicação Social Edições e Publicações.

Steensen, S. e Ahva, L. (2015) Teorias do jornalismo na era digital. Prática de Jornalismo 9 (1): 1–18.

Noguera-Vivo, J. M. (2016) Métodos e periodismo: revisão panorâmica dos novos cibermedios. Profesional de la Información, 25 (3): 341–350.

Deuze, M. e Witschge, T. (2017). Além do jornalismo: teorizando a transformação do jornalismo. Jornalismo online primeiro.

Salaverría, Ramón (2017) Tipologia dos periódicos periódicos: bases teóricas para su classificación. Revista Mediterránea de Comunicação, 8 (1), 19–32.

Salaverría Aliaga, R.Martínez-Costa M.P. e Breiner, J.G. (2018) Mapa dos cibermedios de Espanha em 2018: analise cuantitativa. Revista Latina de Comunicação Social, (73), 1034-1053.

Inovação no periodismo digital

Boczkowski, P.J. (2004). Digitalizando as Notícias: Inovação em Jornais Online. Cambridge, MA: The MIT Press.

Dal Zotto, C. & van Kranenburg, H. (Eds.). (2008). Gestão e inovação na indústria de mídia. Cheltenham, Reino Unido: Edward Elgar.

Habann, F. (2008). Rumo a uma base metodológica da pesquisa sobre inovação em mídia. En C. D. Zotto e H. v. Kranenburg (Eds.) Gerenciamento e inovação na indústria da mídia (pp. 67–86). Cheltenham, Reino Unido: Edward Elgar.

Steensen, S. (2009). O que os está impedindo? Rumo a uma teoria fundamentada da inovação no jornalismo online. Journalism Studies, 10 (6), 821–836.

Weiss, A. S. e Domingo, D. (2010). Processos de inovação em redações on-line como redes de atores e comunidades de prática. New Media and Society, 12 (7), 1156-1171.

Lowrey, W. (2011). Institucionalismo, organizações noticiosas e inovação. Journalism Studies, 12 (1), 64–79.

García-Avilés, J. A. (2012) Gerenciamento de inovação na produção crossmedia: liderando mudanças na redação. Ibrus & C. A. Scolari (Eds.), Inovações Crossmedia: Textos, mercados, instituições (pp. 220–239). Frankfurt: Peter Lang.

Bruno, N. e Nielsen, R. K. (2012). Sobreviver é sucesso: startups jornalísticas online na Europa Ocidental. Oxford: Instituto Reuters para o Estudo do Jornalismo.

Pavlik, J.V. (2013). Inovação e o futuro do jornalismo. Jornalismo Digital, 1 (2), 181–193.

Baumann, S. (2013). Adaptação ao admirável mundo novo: Estratégias organizacionais inovadoras para empresas de mídia. En T. Storsul e A. H. Krumsvik (Eds.), Inovação em Mídia: Um Estudo Multidisciplinar de Mudança, (pp. 77–92). Gotemburgo: Nordicom.

Dogruel, L. (2013). Abrindo a caixa preta: conceitualização da inovação em mídia. En T. Storsul e A. H. Krumsvik (Eds.), Inovação em mídia: um estudo multidisciplinar de mudança (pp. 29-44). Gotemburgo: Nordicom.

Nee, R. C. (2013). Destruição criativa: um estudo exploratório de como as organizações sem fins lucrativos de notícias nativas digitalmente estão inovando as práticas de jornalismo online. International Journal on Media Management, 15 (1), pp. 3-22.

Storsul, T., e Krumsvik, A.H. (2013). O que é inovação de mídia? En T. Storsul e A. H. Krumsvik (Eds.), Inovação em mídia: um estudo multidisciplinar de mudança (pp. 13–26). Gotemburgo: Nordicom.

Spyridou, L.-P .; Matsiola, M .; Veglis, A .; Kalliris, G. e Dimoulas, C. (2013). Jornalismo em estado de fluxo: jornalistas como agentes de inovação tecnológica e práticas de notícias emergentes. International Communication Gazette, 75 (1), 76–98.

Bleyen, V. A., Lindmark, S., Ranaivoson, H., e Ballon, P. (2014). Uma tipologia de inovações da mídia: insights de um estudo exploratório. The Journal of Media Innovations, 1 (1), pp. 28–51.

Westlund, O. e Lewis, S. C. (2014). Agentes de inovações de mídia: atores, atores e audiências. The Journal of Media Innovations, 1 (2), 10–35.

Dogruel, L. (2014). O que há de tão especial nas inovações da mídia? Uma caracterização do campo. The Journal of Media Innovations, 1 (1), 52–69.

Bruns, A. (2014). Inovações de mídia, inovações de usuários, inovações sociais. The Journal of Media Innovations, 1 (1), 13–27.

De-Lara-González, A., Arias-Robles, F., Carvajal-Prieto, M. e García-Avilés, J. A. (2015). Ranking de inovação periódica 2014 em Espanha. Seleção e análise de 25 iniciativas. El Profesional de la Información, 24, (3), 235-245.

Raetzsch, C. (2015). Inovação através da prática: o jornalismo como estrutura de comunicação pública. Prática de Jornalismo, 9 (1), 65–77.

Salaverría, R. (2015). Os laboratórios como fórmula de inovação nos meios. O Profissional da Informação, 24 (4), 397-404

García-Avilés, J. A., Carvajal-Prieto, M., de Lara-González, A. e Arias-Robles, F. (2016). Desenvolvimento de um índice de inovação de mídia em um mercado nacional: o caso da Espanha. Journalism Studies, online primeiro, 1–18.

Sádaba, C., García-Avilés, J. A. e Martínez-Costa, M.P. (2016) (2016) Innovación y desarrollo of the cibermedios in España. Pamplona: Eunsa.

García-Avilés, J. A. (2017). Identificando Inovação. Como aproveitar a chance de mudar - algumas lições da Espanha. En Kaltenbrunner, A., Kraus, D. e Karmasin, M. Journalism Report V. Inovação e transição. Viena: Facultas, pp. 35–48.

García-Avilés, J. A., Carvajal-Prieto, M. e Arias-Robles, F. (2018). Implantação da inovação em cibermedios españoles: análise das percepções dos periodistas. Revista Latina de Comunicação Social, (73), 369-384.

García-Avilés, J. A., Carvajal-Prieto, M., Arias-Robles, F. e de Lara-González, A. (2018). Como os jornalistas inovam na redação. Propor um modelo de difusão de inovações nos meios de comunicação. The Journal of Media Innovations, 5 (1).

Lenguajes

Edo Bolós, C. (1998) A linguagem periódica no vermelho: texto do hipertexto e multimídia da hipermídia. Estudos sobre a mensaje periodístico, 2001 (7), 79-94.

Salaverría, R. (1999) A pirâmide invertida no hipertexto: hacia nuevos isndares of redacción for the periódicos digitals. Novática, 142, 12–15.

Armentia, J. I., Caminos, J. M., Elexgaray, J., Martín, F. e Merchán, I. (2000) El diario digital. Análise dos conteúdos textuais, aspectos formais e publicitários. Barcelona: Bosch.

Martínez Albertos, J. L. (2001) A mensalidade periódica na imprensa digital. Estudios sobre el mensaje periodístico, 7, 19–32.

Díaz Noci, J. (2002) El discurso digital. Bilbau: Universidade do País Vasco - Euskal Herriko Unibertsitatea.

López García, X .; Gago Mariño, M. e Pereira Fariña, J. (2002) Novas tendências do jornalismo eletrônico. Santiago de Compostela: Lea.

Díaz Noci, J. e Salaverría Aliaga, R. (coords.) (2003) Manual de redação ciberperiodística. Barcelona: Ariel.

Salaverría, R. (2004) Projetando a linguagem para o ciberperiodismo. Chasqui. Revista Latinoamericana de Comunicação, (86).

Salaverría, R. (2005) Edição periódica na Internet. Pamplona: Eunsa.

Yaros, R. A. (2006) É o meio ou a mensagem? Estruturando Notícias Complexas para Melhorar o Engajamento e o Entendimento Situacional por Não Especialistas. Research Research 33 (4): 285–309.

Quandt, T. (2008). Notícias na Internet? Uma análise comparativa de conteúdo de notícias on-line na Europa e nos Estados Unidos. Journalism Studies, 9 (5), 717-738.

Canavilhas, J. (2013) “Modelos informativos para dispositivos móveis: informações hipermultimáticas e personalizadas”. Em: González Molina, S., Canavilhas, J., Carvajal, M., Lerma, C., e Cobos, T. Hacia el periodismovóvil. Santiago do Chile: Colección Mundo Digital, pp. 20–32.

Westlund, O. (2013) Notícias sobre dispositivos móveis: uma revisão e um modelo de jornalismo na era da mídia móvel. Jornalismo Digital, 1 (1), 6-26.

Canavilhas, J. (Ed.) (2014) Jornalismo: 7 características que marcam a diferença. Covilhã: Livros Labcom.

Hipertextualidad

Edo Bolós, C. (1998) A linguagem periódica no vermelho: texto do hipertexto e multimídia da hipermídia. Estudos sobre a mensaje periodístico, 2001 (7), 79-94.

McAdams, M. e Berger, S. (2001) "Hypertext". Journal of Electronic Publishing, 6 (3).

Huesca, R. e Dervin, B. (2003) Hipertexto e Jornalismo: Audiências Respondem a Narrativas de Notícias Competitivas. En Henry Jenkins e David Thorburn (Eds.) Democracy and New Media, pp. 281–307. Cambridge: MIT Press.

Canella, Rubén; Albarello, Francisco-Javier e Tsuji, Teresa (2004) “O uso do hipertexto na construção de diários digitais argentinos”. Hologramática, n. 1, pp. 137-165.

Scolari, Carlos (2004) "Hipertextos, interfaces, interações". deSignis, n. 5, pp. 23–26.

Salaverría, R. (2005). Hipertexto periodístico: mito e realidade. Tripodos, 67 (1), 517-524.

Landow, G. (2006) Hipertexto 3.0: Teoria Crítica e Novas Mídias em uma Era da Globalização. Baltimore, MD: JHU Press

Larrondo Ureta, A. (2008) A investigação sobre hipertexto: fundamentação teórica do ciberperiodismo e caminos para a documentação. Anais: quaderns de comunicação i cultura, (36), 159-174.

Fondevila Gascon, J. F. e Segura Jiménez, H. (2012) O peso da hipertextualidade no periódico digital: estúdio comparativo. Cuadernos de Información, (30).

De Maeyer, J. (2012) O hiperlink jornalístico: discursos prescritivos sobre como vincular notícias online. Prática de Jornalismo, 6 (5–6), 692–701.

Weber, M. (2012) Jornais e as implicações a longo prazo do hiperlink. Journal of Computer-Mediated Communication 17 (2): 187–201.

Doherty, S. (2014) Hipertexto e Jornalismo: Caminhos para pesquisas futuras. Jornalismo Digital, 2 (2), 124–139.

Arias-Robles, F. e García-Avilés, J. A. (2016) Definindo a hipertextualidade: Analisando o custo e o significado da evolução do conceito. Icono14, 14 (2), 48-68.

Arias-Robles, F. e García-Avilés, J. A. (2017) Muitos links curtos: A influência da quantidade e tamanho dos links no comportamento, percepção e compreensão do usuário. Jornalismo Digital, 5 (9), 1205–1225.

Arias-Robles, F. e García-Avilés, J. A. (2017) La ubicación and the conmutación of los enlaces. Uma análise do comportamento, a percepção e a compreensão antes da recepção do hipertexto periódico. Estudos sobre a mensaje periodística, 23 (1), 29-44.

Arias-Robles, F. e García-Avilés, J. A. (2017) ¿Un futuro sin enlaces? A mutação do hipertexto em novas calças. Hipertexto. net: Revista Académica sobre Documentação Digital e Comunicação Interativa, (15), 28–35.

Arias-Robles, F. e García-Avilés, J. A. (2018) O destino do destino periódico: percepção dos editores e aplicação prática da hipertextualidade nos meios de comunicação locais. Palabra Clave, 21 (2), 275–309.

Interatividade

Schultz, T. (1999) "Opções interativas no jornalismo online: uma análise de conteúdo de 100 jornais dos EUA". Revista de comunicação mediada por computador, v. 5, n. 1

Kenney, K., Gorelik, A. e Mwangy, S. (2000) "Recursos interativos de jornais online". Primeira segunda-feira, v. 5, n. 1-3.

Hall, W. (2000) "O botão ataca de volta". A nova revisão de hipermídia e multimídia, v. 6, n. 1, pp. 5–17.

Gillmor, D. (2004) Nós, a mídia: jornalismo de base pelo povo, para o povo. Sebastopol: O'Reilly.

Bruns, A. (2005) Gatewatching: produção colaborativa de notícias on-line. Nova York: Peter Lang.

Rost, A. (2006) A interatividade no periódico digital. Tese de doutorado. Barcelona: Universidad Autònoma de Barcelona.

Chung, D. S. (2007) “Lucros e perigos: percepções de interatividade de produtores de notícias on-line e usos de recursos interativos”. Convergência, v. 13, n. 1, pp. 43–61.

Domingo, D. (2008) Interatividade nas rotinas diárias das redações on-line: lidando com um mito desconfortável. Jornal de Comunicação Mediada por Computador, 13 (3), 680–704.

Domingo, D. et al. (2008) Práticas de jornalismo participativo na mídia e além: um estudo comparativo internacional de iniciativas em jornais online. Journalism Practice, 2 (39, 326-342.

Neuberger, C. e Nuernbergk, C. (2010) Concorrência, complementaridade ou integração? A relação entre mídia profissional e participativa. Journalism Practice, 4 (3), 319-332.

Borger, M., Van Hoof, A., Costera Meijer, I., & Sanders, J. (2013). Construindo o jornalismo participativo como objeto acadêmico: uma análise genealógica. Jornalismo digital, 1 (1), 117–134.

Costera Meijer, I., e Groot Kormelink, T. (2015) Verificando, compartilhando, clicando e vinculando: Mudando os padrões de uso de notícias entre 2004 e 2014. Digital Journalism, 3 (5), 664-679.

Wall, M. (2015) Jornalismo cidadão: uma retrospectiva sobre o que sabemos, uma agenda para o que não sabemos. Jornalismo Digital, 3 (6), 797–813.

Aitamurto, T. (2016) Crowdsourcing como método de busca de conhecimento em jornalismo digital: ideais rompidos e responsabilidade combinada. Jornalismo Digital, 4 (2), 280-297.

Ksiazek, T.B., Peer, L. e Lessard, K. (2016) Engajamento do usuário com notícias on-line: conceituando a interatividade e explorando a relação entre vídeos de notícias on-line e comentários do usuário. New Media & Society, 18 (3), 502-520.

Stroud, N.J., Scacco, J.M. e Curry, A.L. (2016) A presença e uso de recursos interativos em sites de notícias. Jornalismo Digital, 4 (3), 339–358.

Multimedialidad

Hoogeveen, M. (1997) Rumo a uma teoria da efetividade de sistemas multimídia. Jornal Internacional de Interação Humano-Computador, 9, 2, 151–168.

Sundar, S. S. (2000) Efeitos multimídia sobre o processamento e a percepção de notícias on-line: um estudo de downloads de imagens, áudio e vídeo. Journalism & Mass Communication Quarterly, 77 (3), 480-499.

Salaverría, R. (2001) Aproximação ao conceito de multimídia desde os planos comunicativos e instrumentais. Estudos sobre a Mensaje Periodístico, vol. 7, 383-395.

Deuze, M. (2004) O que é jornalismo multimídia? Journalism Studies, 5 (2), 139–152.

Boczkowski, P. J. (2004) O processo de adoção de multimídia e interatividade em três redações on-line. Journal of Communication, 54 (2), 197-213.

Micó-Sanz, J. L. e Masip, P. (2008) Recursos multimídia nos cibermedios españoles. Trípodos, 23, 89-105.

Díaz-Noci, J. (2009) Multimídia e atividades de aula: uma aproximação ao estado da educação. Comunicar, 17, 33, 213-219.

Martyn, P. H. (2009) O Mojo no terceiro milênio: o jornalismo multimídia está afetando as notícias que vemos? Journalism Practice, 3 (2), 196-215.

Guallar, J., Rovira, C. e Ruiz, S. (2010) Multimedialidad en la prensa digital. Elementos multimídia e sistemas de recuperação nos principais diários digitais em espanhol. El Profesional de la Información, 19, 6, 620–629.

Canavilhas, J. (2012) Contribuição para uma linguagem do jornalismo online: gramática multimídia. O manual do jornalismo online global, 353–372.

Jacobson, S. (2012) Transcodificando a notícia: Uma investigação sobre jornalismo multimídia publicada em nytimes.com 2000–2008. New Media & Society, 14 (5), 867-885.

Costa Sánchez, C. (2012) Ciberperiodismo no smartphone. Estúdio da multimídia, usabilidade, hipertextualidade e interatividade dos aplicativos de mídia nativos digitais para smartphones. Estudios sobre el mensaje periodístico, 18, 243–251.

Salaverría, R. (2014) Multimedialidade: informar por cinco sentidos. En Canavilhas, J. (org.) Webjornalismo: 7 características que marcam a diferença (pp. 25-52). Covilhã, Portugal: Livros LabCom.

Hiippala, T. (2017) A multimodalidade do jornalismo digital de formato longo. Jornalismo Digital, 5 (4), 420-442.

Narrativas

Nolan, S. (2003) Jornalismo online: a busca da forma narrativa em um mundo multilinear. Melbourne: DAC.

Ryan, M.L. (Ed.). (2004) Narrativa na mídia: as linguagens da narrativa. Nebraska: University of Nebraska Press.

Berning, N. (2011) Jornalismo narrativo na era da Internet. Prática de texto, (3), 1–15.

Greenberg, S. (2012) Jornalismo lento na faixa rápida digital. Jornalismo literário global: Explorando a imaginação jornalística, 381–393.

Lassila-Merisalo, M. (2014) História Primeiro - Publicando Jornalismo Narrativo em Formato Longo em Ambientes Digitais. Journal of Magazine e New Media Research, 15 (2), 1–15.

Palomo, B. (2014). Novas narrativas informativas: o caso de Storify. Hipertext.net: Revista Académica de Documentação Digital e Comunicação Interativa, (12).

Dowling, D., e Vogan, T. (2015) Podemos "nevar" isso? Longform digital e a corrida para o mercado de tablets. Jornalismo Digital, 3 (2), 209-224.

Gifreu, A. (2015) Evolução do Projeto de Nenhuma Ficção. Aproximación a tres modelos narrativos. Obra digital: Revista de Comunicação, (8), 14–39.

Peters, C., e Witschge, T. (2015) Das grandes narrativas da democracia às pequenas expectativas de participação: audiências, cidadania e ferramentas interativas no jornalismo digital. Prática de Jornalismo, 9 (1), 19–34.

Longhi, R. R. & Winques, K. (2015) O lugar do longform no jornalismo online: qualidade versus quantidade e algumas considerações sobre o consumo. Brazilian Journalism Research, 11 (1), 104–121.

Hiippala, T. (2017) A multimodalidade do jornalismo digital de formato longo. Jornalismo Digital, 5 (4), 420-442.

Vázquez-Herrero, J., Negreira-Rey, M. C. e Pereira-Fariña, X. (2017) Contribuições do documento interativo para a renovação das narrativas periódicas: realidades e desafios. Revista Latina de Comunicação Social, (72).

Buozis, M., & Creech, B. (2017) Reading News as Narrative: Uma abordagem de gênero para estudos de jornalismo. Journalism Studies, 1–17.

Narrativa transmedia

Nyre, L. (2010) Experimentando novas mídias para o jornalismo. Nordicom Information, 32 (2–3), 83–93.

Moloney, K. T. (2011) Portando Transmedia Storytelling ao jornalismo. Tese de doutorado apresentada na Faculdade de Ciências Sociais da Universidade de Denver

Renó, L. (2013) Narrativa Trasmedia y Mapas Interativos: Periodismo Contemporáneo. Razón y palabra, 17 (2), 465-473.

Scolari, C. A. (2013) Narrativas transmídia: cuando todos los medios cuentan. Barcelona: Grupo Planeta (GBS).

Irala Hortal, P. (2014) Novas narrativas no período atual. O periodismo trasnmediático. Estudios sobre el mensaje periodístico, 20 (1), 147-159.

Irigaray, F., e Lovato, A. (2014). Hacia una comunicación transmedia. Rosário: Editorial da Universidade do Rosário.

Arrojo, M. J. (2015) Os conteúdos intermediários e a renovação de formatos periódicos: a criatividade no projeto de novas propostas informativas. Palabra-Clave, 18 (3), 746-787.

Schlichting, L. (2015) A narrativa transmídia e o desafio da transferência de conhecimento no jornalismo digital contemporâneo. Uma olhada no documentário interativo Hollow. Image, 21, 81–95.

Liuzzi, A. (2015) O documento interativo na era intermediária: gêneros híbridos e novos códigos narrativos. Obra digital: revista de comunicação, (8), 105–135.

Larrondo Ureta, A. (2016) O relator intermediário e seu significado no periodismo. Uma aproximação conceitual e prática. Trípodos, (38), 31-47.

Peñafiel, C. (2016) Reinvenção do período no ecossistema digital e narrativa intermediária. adComunica, (12), 163-182.

Rampazzo Gambarato, R. e Tárcia, L.P. T. (2017) Estratégias transmídia no jornalismo: um modelo analítico para a cobertura noticiosa de eventos planejados. Journalism Studies, 18 (11), 1381–1399.

Dioses, K.R., Rojas, T. A., e Moreno, H. P. (2017) Da comunicação multimídia à comunicação intermediária: uma revisão teórica sobre as atuais narrativas periódicas. Estudos sobre a mensaje periodística, 23 (1), 223–240.

Géneros

Eriksen, L. B. e Ihlstrom, C. (2000) Evolução do gênero de notícias na Web - o movimento lento para além da metáfora impressa. In System Sciences, 2000. Anais da 33ª Conferência Internacional Anual do Havaí, em (pp. 10-pp). IEEE.

Deuze, M. (2003) A web e seus jornalismos: considerando as consequências de diferentes tipos de mídia online. New Media & Society, 5 (2), 203-230.

Ihlström, C., & Lundberg, J. (2004) Uma perspectiva de gênero no design da primeira página do jornal online. Jornal de Engenharia da Web, 3, 50-74.

Díaz Noci, J. (2004) Os gêneros ciberperiodísticos: uma aproximação teórica aos cibertextos, elementos e tipologia. En Gago Mariño, M. et al. (coords.) Tendências no ciberperiodismo iberoamericano: ponencias do Congresso Iberoamericano de Xornalismo Dixital (pp. 47–69) Santiago de Compostela: Serviço Editorial da Universidade de Santiago.

Salaverría, R. e Cores, R. (2005) Géneros periodísticos en los cibermedios hispanos, 145-185. En Salaverría, R. (Ed.) Cibermedios: impacto da Internet nos meios de comunicação em Espanha. Sevilha: Comunicação Social.

Ihlström, C. e Henfridsson, O. (2005) Jornais on-line na Escandinávia: Um estudo longitudinal da mudança de gênero e interdependência. Tecnologia da informação e pessoas, 18 (2), 172–192.

Larrondo Ureta, A. (2008) Os gêneros na redação ciberperiodística. Contexto, teoria e prática real. Bilbao: Serviço Editorial da Universidade do País Vasco.

Larrondo Ureta, A. (2009) Evolução das Tipologias Genéricas nos Cibermedios Vascos. Em Sierra Caballero, F. (coord.) Iberoamérica: comunicação, cultura e desenvolvimento na era digital. Ibercom 06, IX Congresso Ibero-Americano de Comunicação (pp. 25–40). Sevilha: Universidade de Sevilha.

Seixas, L. (2009) Redefinindo os gêneros jornalísticos: proposta de novos requisitos de classificação. Covilhã: LabCom Books.

Larrondo Ureta, A. (2010) Proposta metodológica para uma aproximação empírica aos gêneros ciberperiodísticos. ZER: Revista de Estudos de Comunicação, 15 (29): 157-174.

López Aguirre, J. L. (2010) Análises de gêneros ciberperiodísticos na imprensa digital mexicana. En Said Hung, E. (coord.) Tic, comunicação e periodismo digital (pp. 247–257), Tomo II, vol. 2. Bogotá: Ediciones Uninorte.

Bruce, I. (2010) Evolução de gêneros em domínios on-line: o gênero híbrido da reportagem participativa. En Gêneros na Web (pp. 323-348). Dordrecht: Springer.

Caple, H. y Knox, J. S. (2012) Galerias de notícias on-line, fotojornalismo e ensaio fotográfico. Comunicação Visual, 11 (2), 207-236.

Seixas, L. (2013) Teorias de jornalismo para gêneros jornalísticos. Galáxia. Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Semiótica, (25).

García-Avilés, J. A. e Arias Robles, F. (2016) Estudos periódicos e formatos visuais do Twitter: uma proposta de tipologia. Mídia Textual e Visual, 9, 101–132.

Gradim, A. (2016) Gêneros jornalísticos em toda a Europa e Brasil: uma categoria de desaparecimento. Opção 32 (11).

Noticia

Machado Gonçalves, E. (2001) A estrutura da notificação nas redes digitais: um estúdio de consecução das metamorfose tecnológicas no periodismo. Tese Doutoral. Barcelona: Publicações da Universitat Autònoma de Barcelona.

Mielniczuk, L. e Palacios, M. (2001) Considerações para um estudo sobre o formato da notícia na Web: ou link como elemento paratextual. Encontro Nacional da Compós.

Sandoval, T. (2003) Los géneros informativos: la noticia. En Díaz Noci, J; Salaverría Aliaga, R. (coords.) Manual de redação ciberperiodística. Barcelona: Ariel, pp. 425-448.

Ihlstrom, C., & Lundberg, J. (2003, janeiro). O gênero de notícias online através da perspectiva do usuário. In System Sciences, 2003. Anais da 36ª Conferência Internacional Anual do Havaí, em (pp. 10-pp). IEEE.

Larrondo, A. (2005) Estruturação discursiva da notificação hipertextual: o valor da informação útil e documentada. Ámbitos, n. 13-14, 155-175.

Canavilhas, J. (2007). Jornalismo na Web: da pirâmide invertida à pirâmide caída. Covilhã, Portugal: Biblioteca On-line deficiencias da comunicaçao.

Canavilhas, J. (2008) Webnoticia: proposta de modelo periódico para a WWW. Covilhã: Livros Labcom.

Edos Bolós, C. (2009) Periodismo informativo e interpretativo. O impacto da Internet na imprensa, nos combustíveis e nos gêneros. Sevilha: Comunicação Social.

Reportaje

Barnhurst, K. G. (2002) Notícias sobre geografia e monopólio: a forma de relatórios em sites de jornais americanos. Journalism Studies, 3 (4): 477–89.

Larrondo Ureta, A. (2004) O relatório se reinventa no vermelho: estrutura do relatório hipertextual. Revista Latina de Comunicação Social, 7 (57).

Marrero Santana, L. (2008) O relatório multimídia como gênero de periodismo digital atual. Acercamiento a sus rasgos formales and content. Revista Latina de Comunicação Social, 11 (63).

Larrondo, A. (2009) A metamorfose do relatório no ciberperiodismo: concepção e caracterização de um novo modelo narrativo. Comunicação e Sociedade, vol. XXII, nº. 2, 59-88.

Steensen, S. (2009). Jornalismo online: um choque de discursos. Prática de jornalismo, 3 (1), 13–29.

Larrondo Ureta, A. (2011) O potencial das reportagens exclusivas da Web: um estudo de caso de sites de mídia espanhóis. Journalism studies, 12 (2), 188–204.

Caple, H. (2009) Brincando com Palavras e Imagens: Intersemiose em um Novo Gênero de Reportagem. Tese de doutorado, Departamento de Linguística, Universidade de Sydney.

Canavilhas, J., e Baccin, A. N. (2015) Contextualização de reportagens hipermídia: narrativa hipermídia e imersão. Brazilian Journalism Research, 11 (1), 10–27.

van Krieken, K., y Sanders, J. (2017) Enquadrando o jornalismo narrativo como um novo gênero: um estudo de caso da Holanda. Journalism, 18 (10), 1364–1380.

Infografía

Schroeder, R. (2004) Infografia interativa na Europa - agregação de valor aos meios de comunicação on-line: uma pesquisa preliminar. Estudos de jornalismo, v. 5, n. 4, pp. 563-570.

Teixeira, T. (2007) A presença da infografia no jornalismo brasileiro-proposta de tipologia e classificação como gênero jornalístico a partir de um estudo de caso. Fronteiras-estudos midiáticos, 9 (2), 111–120.

Valero Sancho, J. L. (2008) A infografia digital no ciberperiodismo. Revista Latina de Comunicação Social, 11 (63).

Valero Sancho, J. L. (2010) A comunicação de conteúdo na Infografia Digital. Estudos sobre a mensaje periodística, 16, 469–484.

Teixeira, T. (2013) Infografia e respostas sobre dados - indicadores sobre caminhos inovadores no jornalismo de revista praticado no Brasil. Infografia e visualização de dados - notas sobre formas inovadoras praticadas no jornalismo de revistas no Brasil '. En F. Tavares e R. Schwaab (eds), Revista e seu jornalismo, Porto Alegre: Penso, 249-60.

Dick, M. (2014) Infográficos interativos e valores de notícias. Jornalismo Digital, 2 (4), 490–506.

Junior, W. T. L. e Barboza, E. F. U. (2015) Infografia multimídia como narrativas jornalísticas e as possibilidades de HTML5. Brazilian Journalism Research, 11 (2), 222-243.

Highfield, T. e Leaver, T. (2016) Instagrammatics e métodos digitais: estudando as mídias sociais visuais, de selfies e GIFs a memes e emoji. Pesquisa e Prática em Comunicação, 2 (1), 47–62.

Barboza, E. F. E. e Silva, A. C. A. (2017) Infografia multimídia: possibilidades interativas de um novo gênero ciberjornalístico | Infografia multimídia: possibilidades interativas de um novo gênero jornalístico online. InfoDesign-Revista Brasileira de Design da Informação, 14 (3), 340-352.

Túñez López, M. e Nogueira, A. G. (2017) Infográficos como estrutura mnemônica: análise dos componentes informativos e de identidade de composições on-line de infográficos no jornal Iberic. Comunicação e Sociedade, 30 (1), 147.

Nogueira, A.G., e Túñez-López, J.M. (2017) Infografias jornalísticas online e narrativa multiplex linguística cruzada: dinâmica informativa, gerenciamento de conteúdo e atemporalidade. En Sistemas e tecnologias da informação (CISTI), 2017 12ª Conferência Ibérica sobre (pp. 1–6). IEEE.

de Haan, Y., Kruikemeier, S., Lecheler, S., Smit, G. e van der Nat, R. (2017) Quando um infográfico diz mais do que mil palavras? Avaliações de audiência de visualizações de notícias. Journalism Studies, 1–20.

Webdoc

Gifreu, A. (2011) O documental multimídia interativo como discurso da ficção interativa. Por uma proposta de definição e categorização do novo gênero emergente. Hipertexto. líquido, 9.

Gifreu Castells, A. (2011) O Documentário Interativo: Proposta de Definição e Características Básicas do Novo Gênero Emergente. Na conferência McLuhan Galaxy: Understanding Media, Today. Barcelona: Universidade Oberta da Catalunha (pp. 354–365).

Aston, J., e Gaudenzi, S. (2012) Documentário interativo: definindo o campo. Estudos em Documentário, 6 (2), 125–139.

Nash, K. (2012) Modos de interatividade: analisando o webdoc. Media, Culture & Society, 34 (2), 195-210.

Gaudenzi, S. (2013) The Living Documentary: da representação da realidade à cocriação da realidade no documentário interativo digital (tese de doutorado, Goldsmiths, University of London).

Gifreu-Castells, A. (2013) O documento interativo: estado de desenvolvimento real. Obra digital: revista de comunicação, (4), 29-55.

Gifreu-Castells, A. (2014) O documento interativo: evolução, caracterização e perspectivas de desenvolvimento (Vol. 33). Barcelona: UOC editorial.

Gifreu-Castells, A. (2014) Mapeando tendências na não-ficção interativa através das lentes do documentário interativo. Pt Conferência internacional sobre narrativa digital interativa (pp. 156-163). Springer, Cham.

Nash, K. (2014) Para que serve a interatividade? A dimensão social da participação na web-documentário. Continuum, 28 (3), 383-395.

Nash, K. (2014) Clicando no mundo: representação documental e interatividade. In New Documentary Ecologies (pp. 50-66). Palgrave Macmillan UK.

Aufderheide, P. (2015) Documentários interativos: navegação e design. Jornal de cinema e vídeo, 67 (3), 69–78.

Liuzzi, A. (2015) O documento interativo na era intermediária: gêneros híbridos e novos códigos narrativos. Obra digital: revista de comunicação, (8), 105–135.

Rezende, R., & Tavares, D. (2016) Uma grande imprensa e produção de webdocs: uma tradição documentada e como possibilidades de ruptura no ambiente online. Rizoma, 4 (1), 8–23.

Martínez Arias, S. e Díaz Arias, R. (2016) Docuweb: pautas e metodologia para a criação de um novo gênero periódico. ZER-Revista de Estudos de Comunicação, 21 (41).

Gifreu-Castells, A. (2016) O ámbito da ficção interativa e intermediária. Aproximação a formas quadradas de expressão narrativa. Opção 32 (9).

Casella, G. (2018) Remixando o arquivo. O uso do formato webdoc como meio de comunicação científica. DOC On-line, (2017SI).

Vázquez-Herrero, J., & López-García, X. (2017) Documentários interativos como formato em mídia audiovisual: um estudo de caso de RTVE e Al Jazeera. Anàlisi, (57), 47-61.

Vázquez Herrero, J .., & López García, X. (2017) Característica interativa: Um gênero jornalístico para mídia digital. In Media and Metamedia Management (pp. 127–132). Springer, Cham.

Vázquez-Herrero, J., MC Negreira-Rey e X Pereira-Fariña (2017) Contribuições documentais interativas para a renovação de narrativas jornalísticas: realidades e desafios. Revista Latina de Comunicação Social, 72, 397-414.

Notícias

Juul, J. (2001) Jogos contando histórias? Uma breve nota sobre jogos e narrativas. Game studies, 1 (1), 1–12.

Galloway, A. (2004) Realismo Social nos Jogos. Estudos do Jogo, 4: 1. 17-38.

Bogost, I., Ferrari, S., & Schweizer, B. (2012) Newsgames: Jornalismo em jogo. Boston: MIT Press.

Gómez, S. e Navarro, N. (2013) Videojogos e Informações: Uma aproximação aos newsgames españoles como novas informações ópticas. Icono14, 11 (2), 3-21.

Frasca, G. (2013) Simulação versus narrativa: Introdução à ludologia. Pt O leitor da teoria dos videogames (pp. 243–258). Londres: Routledge.

Loh, C. S., Sheng, Y. e Ifenthaler, D. (2015) Análise de jogos sérios: referencial teórico. En Análise de jogos sérios (pp. 3-29). Berlim: Springer.

Samson, E. (2015) Informar com seriados: suas potencialidades e limitações para o período atual. Post (s), 1 (1).

França, L. C. M. (2015) Interatividade, expressividade e engajamento no jogo de notícias “De volta a 1964: Sua vida sob a ditadura”. Comunicação e Sociedade, 27, 353-367.

Seabra, G. A., e Santos, L. A. (2015) Teoria Geral Aplicada por Jogos de Notícias Baseadas em Jogos: Criando Narrativas Fundamentais de um Novo Modelo de Jornalismo Online (Vol. 2).

Teixeira, C., Carvalho, B., Agra, J., Martins, V., Lins, A., Soares, M.M. e Neves, A. (2015) Newsgames: jogabilidade e usabilidade em jogos de simulação. En Conferência Internacional de Design, Experiência do Usuário e Usabilidade (pp. 292–302). Springer, Cham.

Mayer, I., Warmelink, H., e Zhou, Q. (2016) Uma análise do discurso reflexivo de quadros de jogos sérios. British Journal of Educational Technology, 47 (2), 342–357.

Wojdynski, B. W. (2016) Jogos e questionários em jornalismo online: alcançando usuários por meio de interatividade e personalização. Pesquisa emergente e tendências em gamificação (pp. 329–355). IGI Global.

Paíno Ambrosio, A. e Rodríguez Fidalgo, M. I. (2016) Renovarse o morir. Los 'docugames', uma nova estratégia intermediária que reinventa as formas de transmitir a realidade. Revista ICONO14, 14 (1), 155–180.

De Lope, R.P. e Medina-Medina, N. (2017) Uma taxonomia abrangente para jogos sérios. Journal of Educational Computing Research, 55 (5), 629-672.

Paíno Ambrosio, A., Rodríguez Fidalgo, M. I. e Ruiz Paz, Y. (2017) A informação informativa do documento: estúdio de caso de que tipo de caminho no caminho, Bugarach e Detrás do paraíso. Sphera Publica, 2 (17).

Plewe, C. e Fürsich, E. (2017) Os newsgames são melhores em jornalismo? Empatia, informação e representação em jogos sobre refugiados e migrantes. Journalism Studies, 1–18.

Meier, K. (2018) O jornalismo encontra jogos: Newsgames como um novo gênero digital Teoria, limites, utilização. Jornal de Jornalismo Aplicado e Estudos de Mídia, 7 (2).

García-Ortega, A. e García-Avilés, J. A. (2018) Os jogos de notícias como estratégia narrativa no período intermediário: proposta de um modelo de análise. Revista Mediterránea de Comunicação, 9 (1), 327-346.

Modalidades del Periodismo digital

Vídeo on-line

Masip, P. e Micó, J. L. (2008) Recursos multimídia nos cibermedios españoles. Análise de uso de vídeo em El País.com, El Mundo.es, La Vanguardia.es e Libertad Digital. Trípodos. (23), 89-105.

Díaz Arias, R. (2009) O vídeo no ciberespacio: usos e linguagem. Comunicar, 17 (33).

Peer, L., e Ksiazek, T. B. (2011) YouTube e o desafio do jornalismo: novos padrões para vídeos de notícias online. Journalism Studies, 12 (1), 45-63.

Poell, T. e Borra, E. (2012) Twitter, YouTube e Flickr como plataformas de jornalismo alternativo: a conta de mídia social dos protestos do Toronto G20 em 2010. Journalism, 13 (6), 695-713.

Cassany, R., Alsius, S., Figueras, M. e Luzón, V. (2012) O período audiovisual na internet: funções diferentes, vídeos diferentes. Quaderns del CAC, 39, 14.

Negredo, S. (2014) Conteúdo de vídeo de jornal: gêneros e formatos editoriais na Espanha. VIEW Jornal da História e Cultura da Televisão Européia, 3 (6), 37–48.

Mayoral Sánchez, J. e Edo Bolós, C. (2014) Evolução da produção audiovisual em cinco cibermedios em espanhol. Fonseca, Journal of Communication, 9 (9), 233-262.

Mayoral Sánchez, J. e Edo Bolós, C. (2014) Tipologia de vídeos no periódico digital em espanhol: analise qualificada de cinco cibermedios. Doxa Comunicação, (19).

García Avilés, J. A. (2015) O projeto de vídeo informativo no vermelho: Formatos e casos de erro. En: Núñez Ladevece, L. (Ed.) Periodismo no vermelho: gêneros, estilos e normas (pp. 251–284). Madri: Universitas.

Mayoral Sánchez, J., Abejón Mendoza, P. e Morata Santos, M. (2016) O vídeo na imprensa digital em espanhol: 2010-2015. Revista Latina de Comunicação Social, (71), 775-799.

Prefeito Sánchez, J. (2016). Ciberperiodismo audiovisual em Espanha: modelo de televisão na construção de uma identidade própria. ZER-Revista de Estudos de Comunicação, 21 (41).

De Lara, A., García-Avilés, J. A. e Revuelta, G. (2017) Vídeo on-line sobre mudanças climáticas: uma comparação entre os formatos de televisão e web. Journal of Science Communication, 16 (01), 1–32.

de Lara, A., e García-Avilés, J. A. (2018) Uma visão geral do vídeo on-line da Science: Designing a Classification of Formats. En Leon, B. et al. (Eds.) Comunicação de ciência e tecnologia por meio de vídeo on-line (pp. 15–27). Londres: Routledge.

Blogs

Matheson, D. (2004) Negociando reivindicações ao jornalismo: orientação dos webloggers para gêneros de notícias. Convergência, 10, 4, 33–54.

Matheson, D. (2004) Weblogs e a epistemologia das notícias: algumas tendências no jornalismo online. New Media & Society, 6 (4), 443-468.

Miller, C. R. e Shepherd, D. (2004) O blog como ação social: uma análise de gênero do blog. En Gurak, L.J., S. Antonijevic, L. Johnson, C. Ratliff e J. Reyman (orgs.) Into the Blogosfera: Retórica, Comunidade e Cultura de Weblogs. Minneapolis: Universidade de Minnesota.

Herring, S. C., Scheidt, L. A., Bonus, S., e Wright, E. (2004) Preenchendo a lacuna: Uma análise de gênero de weblogs. En System sciences, 2004. atas da 37ª conferência internacional anual do Havaí em (pp. 11–18). IEEE.

Lowrey, W. (2006) Mapeando a relação jornalismo-blog. Journalism, 7, 4, 477–500.

Robinson, S. (2006) A missão do j-blog: recuperar a autoridade jornalística online. Journalism, 7, 1, 65-83.

Domingo, D. e Heinonen, A. (2008) Weblogs e jornalismo: uma tipologia para explorar os limites de indefinição. Nordicom Review, 29, 1, 3–15.

Lowrey, W. e Latta, J. (2008) As rotinas dos blogs. En: Paterson, C. e Domingo, D. (eds.). Fazendo notícias online: a etnografia da produção de novas mídias. Nova York: Peter Lang.

Hermida, A. (2009) Os blogs da BBC: Jornalismo na "organização de notícias mais confiável do mundo". Journalism Practice, 3 (3), 268–284.

Gil de Zúñiga, H. et ai. (2011) O blog como prática jornalística: um modelo que vincula percepção, motivação e comportamento. Journalism, 12 (5), 586-606.

Periodismo colaborativo

Bruns, A. (2003) Gatewatching, não gatekeeping: Notícias online colaborativas. Media International Australia Incorporando Cultura e Política, 107 (1), 31–44.

Bruns, A. (2005) Gatewatching: Produção colaborativa de notícias on-line. Peter Lang.

Thurman, N. (2008) Fóruns para jornalistas cidadãos? Adoção de iniciativas de conteúdo gerado por usuários pela mídia on-line. New Media & Society, 10 (1), 139–157.

Bakker, P. e Pantti, M. (2009) Além das notícias: conteúdo gerado pelo usuário em sites de mídia holandeses. En: Conferência Futuro do Jornalismo, Universidade de Cardiff.

Singer, J. e Ashman, I. (2009) O comentário é gratuito, mas os fatos são sagrados: Conteúdo gerado pelo usuário e construções éticas no Guardian. Journal of Mass Media Ethics, 24, 1, 3–21.

Goode, L. (2009) Notícias sociais, jornalismo cidadão e democracia. New Media & Society, 11 (8), 1287–1305.

García-De-Torres, E. (2010) Conteúdo gerado pelo usuário: aproximação ao estado da questão. O profissional da informação, 19 (6).

Jönsson, A. M. e Örnebring, H. (2011) Conteúdo gerado pelo usuário e as notícias: empoderamento dos cidadãos ou ilusão interativa? Journalism Practice, 5 (2), 127-144.

Borger, M., Van Hoof, A., Costera Meijer, I., e Sanders, J. (2013) Construindo o jornalismo participativo como um objeto acadêmico: uma análise genealógica. Jornalismo digital, 1 (1), 117–134.

Peters, C., e Broersma, M. J. (Eds.) (2013) Repensando o jornalismo: Confiança e participação em um cenário de notícias transformadas. Londres: Routledge.

Borger, M. (2016) Jornalismo participativo: repensando o jornalismo na era digital. Tese de doutorado. Universidade de Vrije. Amsterdam.

Periodismo en redes sociais

Campos Freire, F. (2008) As redes sociais tratam os modelos dos meios de comunicação tradicionais. Revista Latina de Comunicação Social, 11 (63).

Hermida, A., & Thurman, N. (2008) Um choque de culturas: a integração de conteúdo gerado por usuários em estruturas jornalísticas profissionais em sites de jornais britânicos. Prática de jornalismo, 2 (3), 343–356.

Hermida, A. (2010) Da TV ao Twitter: Como as notícias ambientais se tornaram jornalismo ambiental.

Stassen, W. (2010) Suas notícias em 140 caracteres: explorando o papel das mídias sociais no jornalismo. Global Media Journal-African Edition, 4 (1), 116–131.

Artwick, C. G. (2013) Repórteres no Twitter: Produto ou serviço? Jornalismo Digital, 1 (2), 212-228.

Hermida, A. (2013) # Jornalismo: reconfigurando a pesquisa sobre jornalismo sobre o Twitter, um tweet de cada vez. Jornalismo digital, 1 (3), 295-313.

Bro, P., e Wallberg, F. (2014) Gatekeeping digital: mídia noticiosa versus mídia social. Jornalismo digital, 2 (3), 446–454.

Nielsen, R. K., e Schrøder, K. C. (2014) A importância relativa das mídias sociais para acessar, encontrar e se envolver com notícias: uma comparação entre oito países. Jornalismo digital, 2 (4), 472-489.

Schifferes, S., Newman, N., Thurman, N., Corney, D., Göker, A. e Martin, C. (2014) Identificando e verificando notícias através da mídia social: desenvolvendo uma ferramenta centrada no usuário para jornalistas profissionais . Jornalismo Digital, 2 (3), 406-418.

Borges-Rey, E. (2015) Imagens de notícias no Instagram: o paradoxo da autenticidade em reportagens fotográficas hiper-reais. Digital Journalism, 3 (4), pp. 571-593.

Inmersivo

De la Peña, N. et al. (2010) Jornalismo imersivo: realidade virtual imersiva para a experiência em primeira pessoa de notícias. Presença: Teleoperadores e ambientes virtuais, 19 (4), 291–301.

Domínguez Martín, E. (2014) Período intermediário: A influência da realidade virtual e do vídeo no conteúdo informativo. Barcelona: UOC editorial.

Domínguez Martín, E. (2015) Periodismo interativo ou realizando a realidade virtual e o vídeo influenciado na interface e interatividade do relacionamento da atualidade. O profissional da informação, 24 (4).

Schlichting, L. (2016) Jornalismo Gráfico Interativo. VIEW Jornal da História e Cultura da Televisão Européia, 5 (10), 22–39.

Hidalgo, A. L., e Barrero, A. F. (2017) Refere-se à consolidação do relatório imersivo. Estúdio de caso de experiências pioneiras em Espanha no Mundo e no País. Mediatika. Cuadernos de Medios de Comunicação, (15).

Jones, S. (2017) Rompendo a narrativa: jornalismo imersivo em realidade virtual. Journal of Media Practice, 18 (2–3), 171–185.

Pérez Seijo, S. (2017) Jornalismo imersivo: do público à experiência em primeira pessoa das notícias. In Media and Metamedia Management (pp. 113-119). Springer, Cham.

Shin, D., e Biocca, F. (2017) Explorando a experiência imersiva em jornalismo. Novas mídias e sociedade, online primeiro. 1461444817733133.

Domínguez, E. (2017) Indo além da convenção narrativa clássica do noticiário: o pano de fundo e os desafios da imersão no jornalismo. Fronteiras em ciências humanas, 4, 10.

Datos

Appelgren, E., e Nygren, G. (2014) Jornalismo de dados na Suécia: Introdução de novos métodos e gêneros de jornalismo em organizações “antigas”. Jornalismo Digital, 2 (3), 394-405.

Sánchez Bonvehí, C. e Ribera, M. (2014). Visualização das informações na democratização dos dados: propostas desde o período e a narratividade. O profissional da informação, 23 (3), 311–318.

Coddington, M. (2015) Esclarecendo a virada quantitativa do jornalismo: uma tipologia para avaliar o jornalismo de dados, o jornalismo computacional e os relatórios assistidos por computador. Jornalismo Digital, 3 (3), 331-348.

Lewis, S. C. (2015) Jornalismo em uma era de Big Data. Jornalismo Digital, 3 (3): 321–330.

Lewis, S. C. e Westlund, O. (2015) Big data e jornalismo: Epistemologia, especialização, economia e ética. Jornalismo Digital, 3 (3), 447-466.

Teruel Rodríguez, L. e Blanco Castilla, E. (2016) O periódico de dados nos meios de referência em espanhol. Trípodos, (38), 13-30.

Usher, N. (2016) Jornalismo interativo: hackers, dados e código. Chicago: University of Illinois Press.

Hammond, P. (2017) De assistido por computador a orientado a dados: Jornalismo e Big Data. Journalism, 18 (4), 408-424.

Young, M.L., Hermida, A. e Fulda, J. (2018) O que faz um ótimo jornalismo de dados? Uma análise de conteúdo do jornalismo de dados premia os finalistas de 2012 a 2015. Journalism Practice, 12 (1), 115–135.

Automatización

Siles, I. e Boczkowski, P. J. (2012). Na interseção de conteúdo e materialidade: uma perspectiva texto-material sobre o uso de tecnologias de mídia. Teoria da Comunicação, 22 (3), 227-249.

Gynnild, A. (2014) A testemunha ocular do robô: estendendo o jornalismo visual através da vigilância por drones. Jornalismo Digital, 2 (3), 334-343.

Napoli, P. M. (2014) Mídia automatizada: uma perspectiva da teoria institucional sobre produção e consumo algorítmico de mídia. Teoria da Comunicação, 24 (3), 340-360.

Carlson, M. (2015) O repórter robótico: Jornalismo automatizado e a redefinição do trabalho, formas composicionais e autoridade jornalística. Jornalismo Digital, 3 (3), 416–431.

Diakopoulos, N. (2015) Responsabilidade algorítmica: investigação jornalística de estruturas de poder computacional. Jornalismo Digital, 3 (3), 398–415.

Latar, N. L. (2015) O jornalista-robô na era da física social: o fim do jornalismo humano ?. Em O novo mundo da mídia em transição (pp. 65–80). Springer, Cham.

Dörr, K.N. (2016) Mapeando o campo do jornalismo algorítmico. Jornalismo Digital, 4 (6), 700-722.

Freixa, P., Pérez-Montoro, M., e Codina, L. (2017) Interação e visualização de dados no período estructurado. O profissional da informação, 26 (6), 1076-1090.

Sánchez Gonzales, H. M. e Sánchez González, M. (2017) Os bots como serviço de notícias e conectividade emocional com as audiências. O caso de Politibot. Doxa Comunicação. (25), 63-84.

Renó, D.P. e Renó, L. (2017). Algoritmo e notificação de dados como o futuro do periodismo intermediário. Revista Latina de Comunicação Social, (72), 1468-1482.

Caswell, D., e Dörr, K. (2018) Automated Journalism 2.0: Narrativas orientadas a eventos: de descrições simples a histórias reais. Journalism Practice, 12 (4), 477–496.

Wölker, A., e Powell, T. E. (2018) Algoritmos na redação? A credibilidade percebida pelos leitores de notícias e a seleção de jornalismo automatizado. Jornalismo, online primeiro.